2006-12-29

2006/2007

Faço os preparativos para terminar mais um ano (ainda não tenho cuecas azuis!), que termina realmente diferente de todos os outros. O ano 2006 ficará para sempre gravado nas nossas memórias, principalmente na minha, como o ano de todas as mudanças. Sinto que agora sim, a minha (nossa) vida nunca mais será a mesma. É um chavão dizer estas coisas, mas são estas coisas que assolam a minha mente, permanentemente. Ter um filho é a sensação mais magnífica que alguma vez tive. Ter um filho está para além do imaginário de qualquer mente. Começo agora a compreender as mães que choram e riem pelos e com os seus filhos… Está a chover lá fora. Cá dentro estão 20º graus, pelo conforto do menino e dos papás! Agradeço a todos os que me (nos) têm apoiado. Especialmente ao meu amado marido, que tem sido simplesmente extraordinário em todos os sentidos. Para além de ter revelado uma nova expressão facial (a expressão de pai babado, que é linda), tem sido o maior e melhor aconchego que posso encontrar. Não que isto me tenha surpreendido, mas nesta fase em que tudo é confuso e cansativo, sabe tão bem encontrar um abrigo. Desejo que todos se harmonizem e que a Paz e o Amor reinem. Se todos desejarmos pode ser que a energia passe e se liberte. Divirtam-se, não se embebedem e se o fizerem, não conduzam!

2006-12-26

Música do momento

Who are u? Ever since I saw you I want to hold you Like you were the one It sees right through me A bullet it comes and takes me And I love you I love you I want you but I fear you Who are u? Who are u? Ever since I saw you I want to hold you Like you were the one Your feet rest on my shoes I sing this song for you Just to see you smile And I love you I love you I love you but I fear you Who are u? Who are u? For how long How strong do I still have to be? How come you mean so much to me? For how long How strong do I still have to be? How come you mean so much to me? And I love you I love you I want you but I fear you Who are u? who are you? For how long How strong do I still have to be? How come you mean so much to me? For how long How strong do I still have to be? David Fonseca

2006-12-22

Peace & Love

Pensei, vou desejar Feliz Natal aos bloguistas… e noto, “Feliz Natal” não são palavras que me digam muito. Não encontro nelas o sentimento que desejo transmitir, por isso resolvi seguir os meus lemas e deseja-los para todos. Assim sendo:

Peace & Love Carpe Diem

2006-12-21

Tempo

O Duarte dorme. Tento organizar as ideias e as horas. Há tanto que fazer, que escrever… Ainda não ouvi música desde que estou em casa, não tenho tempo! O tempo é tramado! Com tantas consultas e apontamentos, reparo que ainda não agenda para 2007. Pode ser que venha no sapatinho! Estou a transbordar de emoções, tenho tanto para dizer… a seu tempo virá. Lá está, tempo!

2006-12-19

Duarte

Com algumas horas de vida

O tempo ainda não está encontrado, as horas e as rotinas ainda não estão definidas, mas está a compor-se! O Duarte nasceu dia 13 de Dezembro ás 5:50 com 2.745Kg e 48 cm de comprimento. Parto natural com ajuda de epidural (bendita seja!)
O primeiro dia do resto da minha vida!
6º dia de vida - Um soninho descansado.

2006-12-06

Tempo... e natal de outro tempo!

Tempo, é o que mais tenho e mais sobra! Depois de ter “nidificado” todas as divisões da casa ainda tenho mais tempo. Dedico-me a fazer coisas que gosto, ler, música, filmes, cozinhar, bordar e costurar, tenho tempo de fazer tudo! Como estamos cada vez mais perto do natal, constato que já não tenho mobilidade suficiente que me permita uma “decente” ida às compras, entreguei a minha imaginação aos tecidos, linhas, bordados, botões e máquina de costura para fazer umas prendinhas caseiras… gosto tanto de trabalhos manuais!

Gosto do natal. Quando era pequena, os meus avós vinham da Chamusca e traziam avelãs! Um galo enorme, que dava para canja e para corar no forno com puré de batata e couve-flor! A minha mãe fazia bailarotes ou filhós de abóbora, coscorões, fatias douradas, paridas ou rabanadas e salada de fruta. Morávamos no castelo e todos os moradores trocavam as filhós. “Um pratinho para provar as minhas filhós, vizinha” – “Obrigado, leve das minhas e boa consoada!”.

Íamos à Missa do Galo e quando chegávamos, fazíamos uma pequena ceia, com os fritos, o bolo-rei, café de cevada, licores feitos pela minha mãe (ginja, tangerina, ananás), vinho do porto e anis. A minha mãe não bebe, mas na noite de natal bebia sempre. Um cálice de vinho do porto e uns quantos de anis, porque (e vá-se lá saber porquê) é a sua bebida favorita!
Tínhamos uma enorme lareira que queimava um enorme tronco de oliveira, que o meu pai guardava especialmente para essa noite… não abríamos presentes, mas deixávamos as nossas pantufas na árvore, para o Menino Jesus (sim, na minha casa não era o pai-natal) deixar os nossos presentes. A árvore e o musgo para o presépio eram apanhados no pinhal da Mulher Morta ou no da Beltroa… Na manhã do dia 25, acordávamos bem cedo, corríamos para a árvore e víamos os presentes… como somos 7 irmãos recebíamos roupa, mas sempre havia um brinquedo, mesmo que não fosse nada do que queríamos! O pequeno-almoço era leitinho com fatias douradas e bailarotes… Vestíamos as roupas novas e íamos novamente à missa (fui a muitas missa quando era pequena!), quando voltávamos almoçávamos o galo, porque o jantar era sempre bacalhau! Continuo com algumas destas tradições… Este ano será diferente, já teremos o nosso menino… que não será Jesus, nem irá à missa, não, isso não!

2006-12-04

37 Semanas

Está tudo pronto e preparado, aguardamos a chegada mais esperada deste natal!
As minhas sobrinhas têm perguntado por onde sai o Duarte... À falta de melhor resposta, segui a sugestão da mais velha, que disse que é pelo umbigo!
A mais nova diz que empresta a chucha dela, mas não lha dá!
A mais velha diz que lhe ralha porque nunca se mexe para ela ver!
As minhas xinhas, nem imaginam o que as espera!
Aguardamos... tranquilamente.

2006-11-30

Desenhos

A Karoxinha enviou-me estes desenhos que acho fantásticos

2006-11-29

Caso Camarate:
José Esteves detido pela PJ e a depor no TIC
José Esteves, antigo segurança e um dos nomes ligado ao Caso Camarate, foi esta terça-feira detido pela Polícia Judiciária (PJ) e encontra-se a depor no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa (TIC), soube a agência Lusa de fonte policial.
A mesma fonte indicou que José Esteves foi detido por elementos da Direcção Central de Combate ao Banditismo (DCCB) da PJ.
José Esteves encontra-se nas instalações do TIC, desconhecendo-se os motivos. A DCCB é uma direcção da PJ que investiga crimes como tráfico de seres humanos, auxílio à imigração ilegal, raptos, sequestros, entre outros.
Numa entrevista à revista Focus, a publicar quarta-feira, José Esteves assume ser o autor de um engenho que fez explodir a aeronave Cessna onde seguiam o então primeiro-ministro português Francisco Sá Carneiro, a sua mulher Snu Abcassis, o chefe de gabinete António Patrício Gouveia, e o ministro da Defesa Adelino Amaro da Costa, assim como os dois pilotos do aparelho, a 4 de Dezembro de 1980.
Diário Digital / Lusa
(Tenho imensa curiosidade de saber como vai ser este desfecho... )

2006-11-27

Acordo precário

O colo já é escasso… Elas chegaram a um acordo! (Num acordo muito precário, lá vão partilhando o espaço à minha volta ou a réstia de colo que ainda dou. Não suportam estar muito próximas, uma arranha, a outra morde e não é bonito de se ver! Raramente abrem excepção à constante e velha guerra, mas desta vez estão a aguentar-se! A bem do futuro, digo eu!)

2006-11-22

Let's go out tonight

A caminho das 35 semanas... Ouço a Six Feet Under Soundtrack... é deliciosa. A músia do momento:
Where the cars go by,
All the day and night,
Why don't you say,
What's so wrong tonight?
Pray for me,
Praying for the light,
Baby baby,
Let's go out tonight.
Where the lights all shine,
Like I knew they would,
Be mine all mine,
Baby I'll be good.
Pray for me,
Praying for the light,
Baby baby,
Let's go out tonight.
I know a place,
Where everything's alright,
Alright,
Let's go out tonight.
Where the cars go by,
All the day and night,
Why don't you say,
What's so wrong tonight.
I pray for love,
Coming out alright, yeah,
Oh baby baby,
Let's go out tonight, yeah.
Baby baby,
Let's go out tonight,
Let's go out tonight.
Tonight, Tonight,
Let's go out tonight, Yeah,
Where the cars go by,
Where the lights won't shine,
..., Tonight.

2006-11-20

Horóscopo chinês

Deu-me para isto!...
Até descobri que 2006 é, está a ser, o meu ano!!
Ninguém diria!
Cá fica o meu horóscopo chinês:
"A mulher Cabra As nativas do signo da cabra estão entre as mulheres mais atractivas e mais femininas no mundo. Podem ser mais ou mais menos bonitas, mas a beleza de muitas delas é incomparável. Todas são sedutoras extremas. Mesmo as mais simples são cheias de graça, distinção e elegância. Há sempre algo de misterioso sobre a fêmea típica da cabra. Os seus gestos são hesitantes, incompletos, como se estivesse receosa que um movimento decisivo a projectaria brutalmente na crua realidade do mundo. Gosta também de deixar - quase tudo que faz - inacabado, fornecendo a abundância para a suposição e imaginação. Muito do seu tipo de encanto particular reside inquestionavelmente na sua indecisão e imprecisão. A face desta mulher representa uma oval perfeita do mais puro projecto de design. Pode frequentemente reconhecê-la pelos seus definidos ossos do rosto, rosada e de nariz bem delineado. A boca é geralmente muito pequena, um tanto perdida entre as outras partes da cara. Os olhos são um dos dois ou três elementos físicos que esclarecem principalmente o seu poder de fascínio: Amêndoados na forma, poderiam, pela sua profundidade estranha de olhar, prender a respiração de qualquer pessoa. A voz, macia e um pouco rouca, exerce um encanto indefinido; seria impossível permanecer insensível a ela, porque há um tipo de música encantada nas palavras a nativa expressa."
Estou maravilhada comigo mesma, sou fantástica!

2006-11-14

Estou...

Madredeus ...

Lá de fora Um sol brilhante, uma risada distante Vieram lá de fora, de um outro planeta Sem pedir licença, entraram p’la minha janela E agitaram a chama, que estava quieta E de repente estoiram cristais, na nossa alma Alucinam e vão viajar, com muita calma Por corredores com portas, cada porta sua chave Cada chave sua sala, casa viva, sótão, cave. Lá de fora vêm, por vezes vidas diferentes Que não morrem cá dentro Nos tornam irreverentes São o espírito alegre De certo vinho que eu gosto São velas içadas ao vento São lupas para o pensamento São velas içadas ao vento São lupas para o pensamento Letra e música de Carlos Maria Trindade

2006-11-11

Quentinhas e boas!

O homem das castanhas Na Praça da Figueira, ou no Jardim da Estrela, num fogareiro aceso é que ele arde. Ao canto do Outono, à esquina do Inverno, o homem das castanhas é eterno. Não tem eira nem beira, nem guarida, e apregoa como um desafio. É um cartucho pardo a sua vida, e, se não mata a fome, mata o frio. Um carro que se empurra, um chapéu esburacado, no peito uma castanha que não arde. Tem a chuva nos olhos e tem o ar cansado, o homem que apregoa ao fim da tarde. Ao pé dum candeeiro acaba o dia, voz rouca com o travo da pobreza. Apregoa pedaços de alegria, e à noite vai dormir com a tristeza. Quem quer quentes e boas, quentinhas? A estalarem cinzentas, na brasa. Quem quer quentes e boas, quentinhas? Quem compra leva mais calor p'ra casa. A mágoa que transporta a miséria ambulante, passeia na cidade o dia inteiro. É como se empurrasse o Outono diante; é como se empurrasse o nevoeiro. Quem sabe a desventura do seu fado? Quem olha para o homem das castanhas? Nunca ninguém pensou que ali ao lado ardem no fogareiro dores tamanhas. Quem quer quentes e boas, quentinhas? A estalarem cinzentas, na brasa. Quem quer quentes e boas, quentinhas? Quem compra leva mais amor p'ra casa. Letra: Ary dos Santos Música: Paulo de Carvalho

2006-11-08

Mais de mim...

Muito cedo despertou em mim o dito relógio biológico, o querer ter um filho. Um dia acordei e lá estava ele, a emocionar-me e a levar-me ás lágrimas com cada criança que me sorria. Não sei muito bem como e porque é que despertei tão cedo para a maternidade, mas a verdade é que aconteceu sem esperar e perdurou por vários anos até ao dia de hoje, onde continuo a aguardar com grande expectativa o dia que serei mãe. No núcleo de amigas de escola (os anos que já lá vão) não existem mães, embora já exista um pai! Ainda só uma amiga, despertou para a maternidade, também acordou um dia com o relógio a badalar! As outras estão mais na onda de serem “tias”! O que é bom! (…) Nunca imaginei que a gravidez fosse um estado tão absorvente e contraditório. A minha experiência (a um mês do fim) tem sido de uma intensidade extraordinária. Já me aconteceram alguns percalços, tensão alta, tromboses hemorroidais, com direito a cirurgia e tudo (o que não desejo a ninguém, porque provoca dores excruciantes), deslocamento de placenta, tensão baixa… percalços, que no meio da confusão até os vejo como normais! Digo confusão porque emocionalmente me sinto completamente confusa! - É a criança que mexe, e se mexe é porque não pára de se mexer e penso, mas porque é que mexe tanto?! - É a criança que não mexe e se não mexe, penso, mas porque é que não se mexe?! - São as dores nas costas, nas penas, no peito! É a azia, maldita da azia! São as lágrimas, são os risos… é o marido, os animais, a mãe, a sogra, a irmã, os amigos, os vizinhos, o dia, a noite… são as luas, é o sol e a chuva… – é tudo tão confuso, tão intenso, tão emocionalmente intenso. Nunca fiz filmes mentais “vai ser assim, vai ser assado” e talvez até por isso me sinta tão fragilizada… Penso que a maioria das mulheres (pelo menos as que conheço e que já são mães) não dizem o que realmente passam/sentem durante a gravidez. Claro que cada mulher é diferente, mas este estado é muito semelhante para todas e por isso penso que nas conversas femininas que tive, ficou muito por dizer sobre este tema. Tenho procurado a tranquilidade e a paz para me harmonizar com o ambiente e com o meu filho. Julgo que tenho conseguido, mas por esta altura do campeonato já começam a escassear as energias… a expectativa é muito grande e o tempo parece que avança a conta gotas.
A inquietude que existe em mim começa a não querer ficar quieta e é cada vez mais difícil…
Ok, um dia de cada vez.

2006-11-07

Frágil

Põe-me o braço no ombro Eu preciso de alguém Dou-mecom toda a gente E não me dou a ninguém Frágil Sinto-me frágil Faz-me um sinal qualquer Se me vires falar de mais Eu às vezes embarco Em conversas banais Frágil Eu sinto-me frágil Frágil Esta noite estou tão frágil Frágil Já nem consigo ser ágil Está a saber-me mal Este whisky de malte Adorava estar in Mas estou-me a sentir out Frágil Eu sinto-me frágil Acompanha-me a casa Já não aguento mais Deposita na cama Os meus restos mortais Frágil Eu sinto-me frágil Jorge Palma

2006-11-03

Destino de Aventureiro

O destino de aventureiro É seu nome num grafite de banheiro Coração tatuado em marinheiro Um recado escrito no dinheiro Qualquer barco que passa me acena Com uma fuga, ao invés de um poema Não sei em que cidade mora a morte Sou amante da sorte Cada garça que voa me faz chorar Pra onde é que ela vai? Qual será o seu lugar? Lembra dois vilaretes de Bagdá Onde jamais estive, mas não canso de sonhar Ventanias e ardentes tufões Juras de amor e palavrões Uma arena cheia de leões, palácios e prisões De repente se instala em Paris Apaixonado, é o que eu sempre quis Ser o favorito de alguém, dança do ventre num harém Cada garça que voa me faz chorar Pra onde é que ela vai? Qual será o seu lugar? Lembra dois vilaretes de Bagdá Onde jamais estive, mas não canso de sonhar Sonhei um destino demais E sei que vou tê-la aos meus pés Sonhei Ney Matogrosso Gosto mesmo deste homem, é lindo, fantástico e canta que encanta! Tem letras e músicas fabulosas, extraordinárias. Esta é a música do dia de hoje. Aconselho vivamente a audição desta e de outras músicas dele.

2006-11-02

Leituras...

Para adquirir brevemente!

2006-10-27

SOL...

... é a estrela responsável por permitir a vida na Terra. “Depois da tempestade vem a bonança.” Cá por casa é assim, aproveitam-se todos os dias de sol, especialmente após dias de chuva! A manhã radiante de luz, traz alegria e boa disposição a todas, casa, eu e bichas. Nada como uns banhos de sol e um belo passeio para revitalizar, corpo e mente.

A Xinha começou a manhã desta forma.

Fomos ao Açude, caminhar entre as novas cores e cheiros…

A Lucy regalou-se com todas as plantas, lamas e poças…

Regressamos… tranquilas (o)

2006-10-25

Chuva...

... é um fenómeno meteorológico que consiste na precipitação de água sobre a superfície da Terra. A chuva forma-se nas nuvens. Nem todas as chuvas atingem o solo, entretanto: algumas evaporam-se enquanto estão ainda a cair, num fenómeno que recebe o nome de virga e acontece principalmente em períodos/locais de ar seco. (wikipédia) Ora, este fenómeno virga, foi aquilo que não aconteceu esta noite! A cidade, mais uma vez, acordou alagada e a minha casa também! A recuperação de moradias antigas é uma “ciência” que nem todos os empreiteiros dominam e no caso das moradias que tenho, os empreiteiros não dominaram!
Temos paixão por antiguidades e pela sua conservação, mas temos “apanhado” alguns contratempos… Na moradia de Braga (que se encontra para venda ou aluguer, caso haja interessados, e-mail: elisabetepedro1@sapo.pt), tivemos um problema de infiltração numa parede. Aqui temos problemas bem sérios, no telhado! Ora no caso do telhado é mesmo um problema, porque com a quantidade de chuva que tem caído nestes dias, cai também na minha sala e não é bonito de se ver. Portanto, se estiverem ou pensarem em recuperar uma moradia antiga, tenham cuidado com o empreiteiro.

2006-10-20

30 semanas

É neste grandioso estado que me encontro, que encontro muitas dores, nas ancas, principalmente a esquerda, nos ombros, nas costas… Encontro também, com muito prazer, os movimentos deste irrequieto! Não consigo descrever o que sinto quando mexe, mas adoro. É mesmo muito engraçado e muito bom. Mais uma happy song, neste meu grandioso estado Wonderful World Louis Armstrong I see trees of green, red roses too
I see em bloom for me and for you And I think to myself.... what a wonderful world. I see skies of blue, clouds of white Bright blessed days, dark sacred nights And I think to myself .....what a wonderful world. The colors of a rainbow, so pretty in the sky Are also on the faces of people going by I see friends shaking hands, sayin how do you do Theyre really sayin, i love you. I hear babies cry I watch them grow Theyll learn much more than Ill never know And I think to myself .....what a wonderful world The colors of a rainbow, so pretty in the sky Are there on the faces of people going by I see friends shaking hands sayin, how do you do Theyre really sayin I ....love....you. I hear babies cry...... I watch them grow you know their gonna learn A whole lot more than Ill never know And I think to myself .....what a wonderful world Yes I think to myself .......what a wonderful world.

2006-10-18

Calvin & Hobbes

Vi a foto desta amiga e imediatamente tive vontade de pegar nos livros do Calvin.
O que gosto deste puto! É irresistível, tem um grafismo espectacular e uma irreverência sublime que me atrai. Aconselho vivamente!

2006-10-17

Over the rainbow

Estou completamente "apanhada" por esta música.
Foi criada para o filme Wizard of Oz, imortalizada pela Judy Garland.
Existem milhentas versões desta música (para ouvir aqui), algumas muito alteradas, outras que a fazem grandiosa e feliz, como a considero...
Somewhere over the rainbow Way up high There's a land that I heard of Once in a lullaby
Somewhere over the rainbow
Skies are blue
And the dreams that you dare to dream
Really do come true
Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemon drops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me
Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?
Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemon drops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me
Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I? If happy little bluebirds fly
Beyond the rainbow
Why, oh why can't I?

2006-10-16

Aconteceu...

...no sábado de madrugada (era 00.15, já não era sexta 13), um pequeno grande susto! O Duarte está com um bocadito de pressa e quis vir cá para fora mais cedo, mas não veio! Passado o fim-de-semana no Hospital de Leiria (que nem vou comentar o atendimento publico! Com excepção da enfermeira Angelina, muito obrigado) estou de volta a casa. Está tudo bem. Repouso e caldos de galinha são as recomendações. Vim encontrar as minhas bichas com muitas saudades da “mãezinha” e o marido que tanta falta me faz (em)…

2006-10-13

Sexta-feira 13! Cruzes Canhoto!

Superstição, do latim superstitione – sentimento religioso erróneo que induz a criar falsas obrigações e que leva à prática de deveres absurdos ou imaginários; excessiva credulidade; crendice; preconceito.
“O número 13, é tido ora como sinal de infortúnio, ora de bom agouro.
  • Símbolo de desgraça, já que 13 eram os convivas da última ceia de Cristo, e dentre eles, Jesus que morreu na sexta-feira foi, consequentemente, ligada ao horror que o número 13 provocava nas gerações cristãs.
  • Muitas pessoas evitam viajar em sexta-feira 13; a numeração dos camarotes de teatro omite, por vezes, o 13; em alguns hotéis não há o quarto de número 13 – este é substituído pelo 12-a. Muitos prédios passam do 12º para o 14º andar temendo que o 13º traga azar. Há pessoas que pensam que participar de um jantar com 13 pessoas traz má sorte porque uma delas morrerá no período de um ano.
  • 13 de Outubro de 1307, sexta-feira, quando a Ordem dos Templários foi declarada ilegal pelo rei Filipe IV de França; os seus membros foram presos simultaneamente em todo o país, e alguns torturados e, mais tarde, executados, por heresia.
  • A sexta-feira 13 é considerada como um dia de azar, e toma-se muito cuidado quanto às actividades planejadas para este dia!
  • O argumento dos optimistas baseia-se no fato de que o 13 é um número afim ao 4 (1 + 3 = 4), sendo este símbolo de próspera sorte. Assim, na Índia o 13 é um número religioso muito apreciado; os pagodes hindus apresentam normalmente 13 estátuas de Buda.
  • Na China, não rara os dísticos místicos dos templos são encabeçados pelo número 13. Também os mexicanos primitivos consideravam o número 13 como algo santo; adoravam, por exemplo, 13 cabras sagradas.
  • Reportando-nos agora à civilização cristã, lembramos que nos Estados Unidos o número 13 goza de estima, pois 13 eram os Estados que inicialmente constituíam a Federação norte-americana. Além disso, o lema latino da Federação, "E pluribus unum" (de muitos se faz um só), consta de 13 letras; a águia norte-americana está revestida de 13 penas em cada asa.” Wikipédia

2006-10-12

Filosofias

Letra:João Linhares Barbosa Música: Francisco Viana (Fado Vianinha) Intérprete: Camané Meu coração, que pranteias? Não tenhas dó de ninguém... Não queiras penas alheias, Que as tuas chegam-te bem!... Se fosses de gelo feito, De mármore ou de granito, Não galopavas aflitopelas ruas do meu peito. Nos artifícios das teias Da triste melancolia; Que fizeste da alegria, Meu coração, que pranteias? Quem pensa muito não tem Horas tranquilas, serenas! Penas! Não queiras mais penas Que as tuas chegam-te bem!...

2006-10-11

Meios dias

Começam agora os meios dias. Meios de chuva, meios de sol… Gosto dos dias meios, são repletos de cores e odores e parece que brincam com o meu humor. A chuva deixa-me um pouco deprimida, é certo, mas se depois vêm uns raios de sol e fico como as minhas bichas, a deliciar-me com o sol, com o seu calor a sua luz... Sou de sol, de luz. Os dias cinzentos não me preenchem.

Encontro-me em contagem decrescente, para o dia em que conhecerei o pequeno irrequieto que trago em mim… a espera parece interminável… estou como amigas já tiveram… sem assunto que não seja a maternidade, sem grande paciência para questões do dia a dia… Até gostava de não me encontrar tão absorvida, mas é fisicamente impossível…

2006-10-04

Dia Mundial do Animal

Bolinhos de mel...

Apetece-me música clássica e bolinhos de mel… Acordei com o cheiro de canela impregnado na mente! Levantei-me e comecei a assobiar uma melodia que os músicos da sociedade filarmónica oureense conhecem bem, Hino da Restauração… manhã tenebrosa para todos os músicos, que bem cedo e com muito frio tinham, e ainda têm, de marchar pelas ruas geladas do castelo… é uma memória engraçada e sempre que a recordo, vem acompanhada do cheiro a canela e bolinhos de mel… Música clássica é o que ouço agora… Beethoven – Sonata ao Luar, mas outras já ouvi e outras vou ouvindo… Bolinhos de mel… até já nem faltam muito! São feitos para o dia de Todos os Santos, ou seja a menos de um mês. Gosto deste dia (1 de Novembro), aqui no centro, porque existe esta fantástica tradição de fazer bolinhos e percorrer adegas em busca de abafado e água-pé! No norte não existe esta tradição, as pessoas acorrem ao cemitério e por ali ficam todo o dia, famílias inteiras na companhia dos defuntos… é mórbido demais… Bolinhos de mel… até consigo sentir o cheiro! Ai a dieta!
A Receita:
250 ml de azeite
500 ml de água
250 ml de café (forte)
1 colher de sopa de canela
1 colher de sopa de erva doce
1 kg de farinha
500 g de açucar louro
100 ml de mel
Colocar todos os ingredientes, excepto a farinha, num tacho e levar ao lume até ferver. Retira-se do lume e mistura-se a farinha, mexendo sempre até formar uma bola que se solta do tacho.
Moltar a massa em pequenos palitos (cheiinhos). Colocar num tableiro, untado com farinha e levar ao forno, previamente aquecido. (10 a 15 minutos de forno é sufuciente para a cozedura dos bolinhos).
Retirar do forno e envolver cada um com açucar branco.
Dica: Pode adicionar-se nozes ou amendoas à massa.

2006-10-03

Música...

Pra Rua Me Levar Não vou viver, como alguém que só espera um novo amor Há outras coisas no caminho aonde eu vou As vezes ando só, trocando passos com a solidão Momentos que são meus e que não abro mão Já sei olhar o rio por onde a vida passa Sem me precipitar e nem perder a hora Escuto no silêncio que há em mim e basta Outro tempo começou pra mim agora Vou deixar a rua me levar Ver a cidade se acender A lua vai banhar esse lugar E eu vou lembrar você É... mas tenho ainda muita coisa pra arrumar Promessas que me fiz e que ainda não cumpri Palavras me aguardam o tempo exato pra falar Coisas minhas, talvez você nem queira ouvir Já sei olhar o rio por onde a vida passa Sem me precipitar e nem perder a hora Escuto no silêncio que há em mim e basta Outro tempo começou pra mim agora Vou deixar a rua me levar Ver a cidade se acender A lua vai banhar esse lugar E eu vou lembrar você... Ana Carolina

2006-09-29

27 semanas

Estou assim...
"27ª semana: Nesta semana o teu bebé irá começar a praticar a sucção, o seu peso continua a aumentar devido, em grande parte, ao aumento do seu tecido adiposo. É devido ao tecido adiposo que o bebé irá conseguir regular a sua temperatura interna após o nascimento."

2006-09-27

2006-09-26

CAZUZA

Agenor de Miranda Araújo Neto, mais conhecido por Cazuza, foi um compositor e cantor brasileiro. Faz Parte Do Meu Show by Cazuza / Renato Ladeira Te pego na escola e encho a tua bola com todo o meu amor Te levo pra festa e testo o teu sexo com ar de professor Faço promessas malucas tão curtas quanto um sonho bom Se eu te escondo a verdade, baby, é pra te proteger da solidão Faz parte do meu show Faz parte do meu show, meu amor Confundo as tuas coxas com as de outras moças Te mostro toda a dor Te faço um filho Te dou outra vida pra te mostrar quem sou Vago na lua deserta das pedras do Arpoador Digo 'alô' ao inimigo Encontro um abrigo no peito do meu traidor Faz parte do meu show Faz parte do meu show, meu amor Invento desculpas, provoco uma briga, digo que não estou Vivo num 'clip' sem nexo Um pierrot retrocesso meio bossa nova e 'rock'n roll' Faz parte do meu show Faz parte do meu show, meu amor Meu amor, meu amor, meu amor... Gosto de Cazuza e gosto desta música embora ela não seja representativa da "sua música", é a minha favorita, nem sei bem porquê!

2006-09-21

Outono

Hoje é o primeiro dia de Outono. Em Ourém apresentou-se devidamente! Entre as 8.30 e 9.00h da manhã choveu tanto que entrou em minha casa! É uma casa antiga, restaurada… mas parece que os restauros não chegaram ao telhado… Mais uma “camada de nervos” (expressão que muito aprecio) para adicionar à pilha que normalmente já sou! Foi horrível, ainda não me recuperei… Quando sai, pelas 10.30h, fiquei a saber que a chuva tinha invadido outras casas, lojas e farmácias, estradas com esgotos rebentados e peripécias tais, enfim, o habitual nesta cidade sempre que chovem mais umas gotas… …mas não em minha casa…
eXTReMe Tracker